“Falei com ele, e ele não aceitará a acusação”, disse Erik Ten Hag, na conferência de imprensa de antevisão do jogo com os cipriotas do Omonia, da Liga Europa.

Em 09 de abril de 2022, após uma derrota por 1-0 no estádio do Everton, em jogo da Liga inglesa da época passada, Cristiano Ronaldo atirou ao chão o telemóvel de um adepto da equipa anfitriã, tendo recebido um “aviso condicional” da polícia britânica.

Aquele é um tipo de aviso que as autoridades costumam utilizar contra pessoas sem antecedentes criminais, por delitos menores, tendo a polícia de Merseyside considerado que o processo ficou “encerrado” com essa iniciativa.

Em 23 de setembro, cinco meses e meio depois, a FA emitiu um comunicado a dar conta do processo instaurado a Cristiano Ronaldo, ao qual o Manchester United já respondeu, com o clube em que alinham ainda os portugueses Diogo Dalot e Bruno Fernandes a manifestar intenção de “apoiar o jogador na sua resposta às acusações”.

Na sequência da recusa, Cristiano Ronaldo deverá agora ser ouvido pela FA.

Após o incidente, Cristiano Ronaldo, de 37 anos, pediu desculpa pelo seu comportamento e convidou o jovem adepto, de 14 anos, a assistir a uma partida em Old Trafford, “como um sinal de ‘fair-play’ e desportivismo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.