Ainda há esperança para os portistas de que Pepe possa alinhar esta noite frente ao Sporting CP.

Embora Pepe e o próprio FC Porto tenham publicamente, ontem e anteontem, dado a entender que não tinham muita esperança na sua utilização neste clássico da Taça de Portugal contra o Sporting, a verdade é que nos bastidores os responsáveis do clube avançaram com todas as iniciativas legais que ainda podem permitir ao central, e capitão portista, alinhar no jogo desta noite. Avançaram, portanto, com um recurso para o TAD, com a respetiva ação cautelar complementar, ainda a tempo do processo de suspensão da sanção ser entregue ao Tribunal Central Administrativo do Sul (TCAS).

O expediente é o mesmo que o Sporting utilizou na época passada no conhecido caso Palhinha — depois do médio ter visto o quinto cartão amarelo da época, que o colocaria fora do clássico com o Benfica —, na esperança de que o TCAS possa decidir sobre a providência cautelar ainda antes da hora do jogo.

O Tribunal Arbitral do Desporto não terá, como é óbvio, possibilidade de julgar o recurso de Pepe em tempo útil e deve remeter, como fez com Palhinha, a contestação dos portistas para o Tribunal Central Administrativo do Sul que, analisando a sustentação apresentada pelo FC Porto — falta de provas com imagem —, pode suspender a decisão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol e ir ao encontro das pretensões do emblema da Invicta, que desta forma teria Pepe em condições de defrontar esta noite o Sporting. Aliás, face aos timings de procedimento definidos, até ao momento apenas por uma vez o tribunal não conseguiu dar resposta atempada, pelo que a possibilidade de Pepe poder jogar é, efetivamente, real.

Ainda assim, e independentemente da decisão sobre o recurso permitir ou não a utilização frente ao Sporting, Pepe está — conforme expressou no comunicado que colocou nas redes sociais poucas horas depois de ser conhecido o castigo — indignado pelo facto de a sua palavra não ter contado neste processo e promete também ir até às últimas consequências para provar a sua inocência.

O jornal ABola, avança que o jogador, à margem do processo jurídico que será encaminhado pelo FC Porto, deu também indicações expressas ao seu advogado pessoal para intentar processos nos tribunais civis contra quem apresentou a queixa — Sporting e Hugo Viana —, contra o árbitro João Pinheiro, que escreveu no relatório do jogo a agressão a Hugo Viana que o central do FC Porto garante não ter cometido, e ao próprio Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.