Por vezes, a crença, a obstinação e o amor ao nosso clube do coração, têm que ser forçosamente postos de lado e olhar de forma imparcial em nosso redor.

Por conseguinte, utilizo as primeiras linhas da minha crónica para gritar alto e em bom som, um tremendo basta para Jorge Jesus como treinador do Benfica.

Na minha óptica e por diversas razões (tentarei dissecar algumas), o seu tempo na “cadeira de sonho” esgotou-se. Já não há, ou melhor já não tenho paciência, para ouvir Jorge Jesus afirmar constantemente que somos superiores a tudo e todos, que devemos acreditar que mais ninguém sabe mais de bola do que ele, e levar constantemente com o lema: “EU ganhei (leia-se treinador), NÓS empatamos (Treinador + Jogadores), ELES perderam (Jogadores) ”

JJ, como todos sabem, possui dificuldades tremendas em lidar com os média, mas será que é tao difícil, apresentar uma vez que seja, um discurso que não seja fanfarrão, articular um conjunto de palavras em que não se observe sobranceria, ou até mesmo reconhecer que o Benfica, no seu reinado vai do 0 ao 80 num abrir e fechar de olhos? Para Jesus parece tarefa impossível.

Temos que ser honestos. Apesar de termos sido incrivelmente prejudicados pelas arbitragens nos últimos jogos (Pinto da Costa percebeu que não ganhava este campeonato apenas com Vítor Pereira, encetando por conseguinte, o famosíssimo “bloqueio ao sistema” que redundou naquilo que está à vista de todos), não nos podemos camuflar apenas no sucedido. O Benfica teve um último jogo bom há cerca de sete semanas. As últimas seis semanas foram deveras negativas e nem o apuramento para a final da Taça da Liga ou o apuramento para os quartos-de-final da Champions disfarçam um abaixamento de forma que pode levar a equipa a um final de época sofrível.

Jesus pode sempre atirar à cara dos Benfiquistas que foi com ele que fomos campeões (a praticar um Futebol de alto quilate), mas por favor, nesse ano tínhamos no plantel jogadores de qualidade mundial como David Luiz, Di Maria, Ramires e um Saviola estratosférico no último detalhe de qualidade da sua carreira.

De lá para cá o que é que vimos? Vimos o Porto ser campeão na Luz, levamos 5 no Dragão, fomos eliminados pelo Braga na Liga Europa, levamos 3 do Apoel Telavive, fomos eliminados em casa na taça de Portugal, após vitória por 2-0 fora de casa e pior de tudo… vimos uma vantagem de 8 pontos para o Braga, transformar-se em 1 ponto de desvantagem em apenas 5/6 jornadas! É inconcebível.

No meio de tão grande intempérie, sou obrigado a deixar um enorme bem-haja ao presidente Luís Filipe Vieira. Conseguiu reunir valiosíssimo painel de jovens talentos, enriqueceu o ambiente de trabalho e reforçou a estrutura de trabalho, isolando-a. Enfim, construiu um plantel com qualidade bastante para carregar os erros dos carregadores do apito, ganhar este campeonato com tranquilidade e naturalidade e…sobrar-lhe tempo e disposição para honrar os 50 anos da vitória europeia de Amsterdão, frente ao Real Madrid (5-3). Vieira deu o que é preciso para ter sucesso. Falta e/ou faltou Jesus contribuir com a parte dele, como Leonardo Jardim tem feito em Braga, com firmeza, seriedade e mais competência. Por isso, agora, é o líder…

É incrível como Jorge Jesus conseguiu perder este campeonato, mas como no Futebol, o que hoje é mentira amanha já é verdade, aconteça o que acontecer até ao final da época, gostava de ver Jesus rumar ao Porto (tenho a plena convicção que lá vai parar, e aí será engraçada averiguar a reação das gentes do dragão) e Rui Vitória viajar do Berço para o banco encarnado.

Tinha escrito na última crónica que vinha ai um ciclo de jogos para desfrutar, mas com este andamento, dificilmente um Benfiquista que se preze, conseguirá desfrutar de coisa alguma!

Basta Jorge Jesus…

 

NOTA 1:

Ontem o meu Benfica viveu mais uma noite Europeia. Ao ver a beleza do estádio da Luz a rebentar pelas costuras, percebe-se facilmente o porquê do nosso estádio ser considerado a “catedral desportiva” do país e de ser nomeado para os mais altos eventos.

Quanto ao jogo, deixo três ideias:

  1. Após o apito final senti um enorme orgulho do meu Benfica. Não ganhamos o jogo, contudo fizemos uma boa exibição e merecíamos sem sombra para dúvidas a vitória. Como não podemos viver sempre de vitórias morais, acredito que podemos “virar” isto em Stamford Bridge (Sonho muito eu sei…)

  2. Parece sina, mas já se anda tornar natural sermos prejudicados pela equipa da arbitragem. Como é possível, 5 árbitros não verem a mão de Terry, quando tudo ainda estava empatado?

  3. Uma convicção que entristece: Se jogássemos com esta atitude e qualidade já tínhamos este campeonato no bolso.

 

NOTA 2:

David Luiz e Ramires. O que seria do meu Benfica se ainda vestissem de vermelho… Dois senhores jogadores.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.